Leia também sobre o Fardamento nas Normas do Ritual, pág. 19

O fardamento é o momento onde o aspirante torna-se adepto e membro efetivo da casa, através do ritual que consiste em vestir a farda ritualística e receber a Estrela, insígnia que simboliza seu compromisso com a Doutrina de Juramidam.

O fardamento se reveste de um grande significado simbólico e de iniciação. É fundamental que todo aquele que queira dar esse passo, o faça com liberdade de escolha, sinceridade de propósitos e lealdade no coração. Lembrar que toda a iniciação espiritual, pressupõe uma morte e renascimento.

O fardamento implica numa aceitação dos preceitos crísticos, numa afirmação de fé na doutrina, e num voto de obediência espiritual ao atual comando da casa.

Aquele que assume a responsabilidade de fardar-se, integra o quadro de filiados do ICEFLU, e assume os compromissos que constam na Norma de Ritual, Preceitos Doutrinários e Regulamentos Internos do ICEFLU e do Centro Filiado.

O fardado deve participar de forma sistemática dos trabalhos oficiais, concentrações do calendário oficial, zelando pelo brilho, alegria, disciplina e devoção na execução de nossos rituais.

As condições prévias para o fardamento são :

  • Ter participado de pelo menos três trabalhos oficiais (incluindo as concentrações)
  • Ter conhecimento dos princípios doutrinários, éticos e estatutários tanto do centro local, quanto do ICEFLU.
  • Ser aprovado pela diretoria do centro ao qual se afiliou.
  • Ser associado do ICEFLU e ao centro local que frequentará

Recomendações aos fardados

  • Atitude de interiorização, silêncio e concentração nos dias de trabalho
  • Entrar no salão com uma sincera emoção, devoção e abertura para se transformar
  • Integrar-se na corrente dos hinos com uma atitude mental de clareza, firmeza e interesse no trabalho, sem medir sacrifícios nem sucumbir ao sono e cansaço.
  • Resolver suas pendências, animosidades e contendas com outros irmãos.
  • Estar sempre solícito em dar e receber o perdão antes de começar cada trabalho.
  • Não se apresentar com a mente trancada por nada, para que possa haver ligação na corrente espiritual e energia mental positiva e amorosa para circular na corrente.
  • Manter a mente concentrada e interiorizada no canto e no bailado. Não converse na corrente, é o canto dos hinos que deve exteriorizar.
  • Não divagar na forma de pensamentos, impressões, distrações e fantasias. Todo o emprenho mental deve estar concentrado na afirmação do canto, nas verdades declaradas pelos hinos.
  • Estar com a mente direcionada para criar o padrão de vibração necessário para a iluminação espiritual e cura de todos.
  • Estar envolvido com os projetos do centro filiado.
  • Participar de reuniões, quando convocado
  • Preparar-se para num período de no máximo seis meses, estar bailando, cantando e tocando seu maracá ao mesmo tempo.
  • Quando sair da corrente procurar faze-lo pelo período de três hinos e comunicar a saída ao companheiro da direita. Caso haja a necessidade de mais tempo os fiscais deverão ser informados, para preencherem o lugar.
  • Quando voltar para a corrente, esperar o final do hino que está sendo executado, para depois assumir seu lugar.
  • Entrar sempre pela frente da fileira e não atravessar o bailado.
  • Respeitar as orientações dos fiscais e do comando da casa.
  • Evitar tomar água em grandes quantidades. A água é somente para umedecer a boca, quando está seca.
  • Procurar se movimentar com suavidade, evitar movimentos bruscos e acelerados

fonte: www.santodaime.org (Céu do Mapiá – AM)