Dentre as diversas linhas espirituais ayahuasqueiras e daimistas, sem dúvida temos um viés bastante  universalista no que diz respeito a abertura para o diálogo e a prática intereligiosa. Isto nos foi legado pelo Padrinho Sebastião que sempre recebeu representantes de outras tradições religiosas sem qualquer tipo de preconceito, incentivando sempre o respeito , o diálogo e o ecumenismo. Costumava dizer  “que  espiritualidade significava basicamente respeito”.

Este ecletismo universal que está presente na doutrina desde a sua origem, recebeu um novo estímulo na vertente fundada pelo  padrinho Sebastião e hoje dirigida pelo seu filho Alfredo Gregório. O extremo dinamismo da nossa expansão, a interação do saber espiritual da floresta com outros saberes e tradições  igualmente milenares de outros povos e culturas, foi construindo esta ponte e este diálogo, sem que em nenhum momento perdêssemos a nossa identidade , raiz e origem.

Além dos elementos ecléticos que a doutrina fundira desde o tempo do Mestre Irineu (cristãos, espíritas, indígenas, africanos,  esotéricos, etc), outras influências se fizeram notar no seguimento dado pelo Padrinho Sebastião, como a abertura da mediunidade e da caridade espírita.

Nos anos 80 fizemos uma aliança com a linha de Umbanda. Posteriormente estivemos presentes  na grande vigília religiosa na Eco-92, quando recebemos a visita de sua santidade o Dalai Lama. Participamos: de fóruns intereligiosos como o Encontro da Nova Consciência em Campina Grande; a Aldeia Sagrada no Rio de Janeiro; eventos e cerimônias no ISER- Instituto Superior de estudos Religiosos e também como membro da URI- União Internacional das religiões.

Durante os últimos anos de nossa expansão, temos sido convidados para diversos congressos internacionais, científicos, ambientais e religiosos, como o “Mandir Della Pace” na cidade de Assis e o recente congresso na Universidade de Hedelberg na Alemanha. Nossas comitivas ao exterior têm realizado cerimônias de aliança espiritual com grupos sufis, cabalistas e hinduístas.

Dando consequência prática aos nossos princípios estatutários, que em seus preâmbulos doutrinários afirmam nosso reconhecimento pelo legado da Ayahuasca e o nosso respeito às tradições nativas, suas guardiãs milenares, no ano de 2003 firmamos documentos e protocolos de aliança espiritual com outras tradições enteógenas e medicinas sagradas das Américas.

Participamos de diversos eventos e cerimônias para consagrar esta união espiritual e estreitar nossos vínculos com muitas nações indígenas, povos, culturas e tradições religiosas. Desde este ano firmamos certificados de aliança e intercâmbio com a Igreja do Fogo Sagrado Desenvolvemos projetos junto aos guaranis de Santa Catarina e participamos de um grande encontro dos diversos grupos da etnia Pano realizado no Vale do Juruá.

No momento temos duas avós representantes do Céu do Mapiá, representando o Santo Daime no Conselho Internacional das Avós, que está correndo o mundo e rezando pela paz, patrocinadas pela ONU.

Nestas alianças honramos estas tradições nativas e em ocasiões especiais realizamos cerimônias com as suas medicinas sagradas.

fonte: www.santodaime.org (Céu do Mapiá – AM)